quarta-feira, 6 de maio de 2020

Ex-alunos da Joaquim de Carvalho criam Missão Cuida+ Figueira Da Foz



 Um grupo de antigos alunos da Escola Joaquim de Carvalho da Figueira da Foz uniu esforços para ajudar quem mais precisa nesta época de pandemia. Cansados de estar em casa sem fazer nada, sentiram que tinham de “meter mãos à obra”, nas palavras de Diogo Tomásio. Tendo tomado conhecimento desta ideia levada a cabo por um grupo de jovens em Aveiro, deram prontamente início à Missão Cuida+ Figueira da Foz. Para além do Diogo Tomásio, fazem parte deste grupo o Diogo Maia, o Guilherme Nheu, o Duarte Lapa, o João Saraiva e o Pedro Santos.


A Cruz Vermelha tem sido essencial na sinalização de famílias carenciadas e na ajuda ao apoio prestado às mesmas. A Missão Cuida+ Figueira da Foz está ainda a trabalhar em conjunto com a Associação Bonae Spei, que tem cedido o espaço. A Associação Juvenil da Figueira da Foz associou-se também a esta iniciativa, tendo contribuído com o maior donativo até ao momento.
Se numa primeira fase a sinalização das famílias carenciadas foi feita pela Cruz Vermelha, neste momento a Missão Cuida+ Figueira da Foz está a receber diretamente um número crescente de pedidos. Só nos últimos dois dias houve cerca de sete novos pedidos de ajuda e amanhã mesmo, dez novas famílias virão juntar-se às quinze anteriormente ajudadas.

Os donativos podem ser feitos através de transferências por MBWay e Iban, mas também é possível contribuir com a doação de bens alimentares. Posteriormente, o grupo encarrega-se de ir às compras e preparar os cabazes a entregar. Também a distribuição fica a cargo dos jovens, que se deslocam, em viaturas dos próprios, às residências das famílias e é de realçar que já percorreram quase todo o concelho da Figueira.
Alimentos e produtos de higiene são os bens mais urgentes. Para ajudar, basta visitar a página de Facebook da Missão Cuida+ Figueira da Foz onde se encontra o contacto telefónico do Diogo Tomásio.
“Ajude-nos a ajudar!” é o lema destes jovens solidários uma vez que, nas palavras de Diogo Tomásio, “existem muitas desigualdades sociais e económicas.”
Fica o nosso apelo para que, à semelhança deste grupo de jovens, sejamos também solidários.


terça-feira, 5 de maio de 2020

25 de abril sempre

Regimes ditatoriais são conhecidos pela supressão de liberdades. Liberdade de expressão, de reunião, e até mesmo liberdade de pensamento. Como controlam o pensamento? Através da fomentação da idiotia.

A verdade é que, como observamos na ditadura do Estado Novo, este tipo de regimes tem um excelente controlo do ensino, pela prevalência de um ensino religioso, que assenta nas máximas do regime (“Deus, Pátria e Família”), e pela criação de movimentos de lavagem cerebral das juventudes. O Estado Novo tinha a Mocidade Portuguesa, o Nacional-Socialismo alemão tinha a Juventude Hitleriana, o Franquismo tinha a Frente de Juventudes… Todos estes organismos de manipulação e controlo da população jovem têm o objetivo de ganhar o apoio incondicional das faixas etárias mais jovens, visto que é mais fácil impor esses valores nos jovens do que em adultos, funcionando assim como um autêntico mecanismo de lavagem cerebral com o objetivo de ter uma população sem pensamento próprio, uma população controlada e manipulada, uma população “idiota”.

Para além disso, estes estados ainda promovem atividades económicas menos qualificadas, normalmente ligadas ao setor primário (em 1950, cerca de cinquenta por cento da população portuguesa trabalhava em atividades do setor primário, maioritariamente na agricultura), de forma a ter uma grande parte da população pouco instruída, e muitas vezes analfabeta (sendo que, por exemplo, em 1950 cerca de quarenta por cento da população era analfabeta). Com estes baixos níveis de instrução, é fácil proceder ao controlo e à manipulação do pensamento da população, que é o objetivo destes regimes.

Para sustentar o meu ponto de vista, vou falar num livro de ficção. Sim, apesar de ser uma história irreal, penso que o cenário e a ideia chave do livro é bastante real: 1984, de George Orwell.

Neste livro, é descrita a realidade ideal de um ditador: um sistema perfeito de controlo de população. Nesta realidade fictícia, a lavagem cerebral do regime é de tal forma eficaz que a população acredita em qualquer mentira que lhe for dita (por exemplo, a ração de chocolate é reduzida de 30 gramas para 20, mas como a notícia é publicada como havendo um aumento para 20 gramas, a população fica satisfeita com esta notícia). Qualquer notícia ou registo é alterado para estar de acordo com a nova verdade apresentada pelo regime, e o controlo das juventudes é de tal forma acentuado que os próprios filhos denunciam os pais quando estes mostram comportamentos antipatrióticos! 

Apesar de não real, a história deste livro, do qual recomendo desde já a leitura, mostra o que poderia acontecer a uma população que se deixasse controlar, uma população que não se indignasse ou que não se revoltasse: tornar-se-ia controlada, incapaz de pensar por si própria…tornar-se-ia numa população idiota.

Assim, concluo este texto feliz por o poder escrever, feliz por ter liberdade para o fazer, feliz por saber que, há quarenta e seis anos, a população se indignou, e se revoltou, e feliz por estarmos agora aqui, numa sociedade livre, e certamente não “idiota”!

25 de abril sempre!

Filipe Gomes, 12ºF

quarta-feira, 11 de março de 2020

Estão aí os CASTINGS para o Desfile Moda 2020!

Decorrem esta sexta feira, dia 13 de março, na Associação de Estudantes da nossa escola os castings para o desfile anual que junta finalistas, professores e alunos num final de manhã cheio de animação e alegria.
Apareçam!!

Diogo Nogueira, 12ºD






D

Viagem ao universo do café com Luisete Batista

A escritora figueirense, Maria Luisete Baptista, apresentou, ontem, dia 10 de março, na biblioteca escolar da Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, o seu último livro, o Anoso pé de cafeeiro, a uma plateia constituída pelas turmas 10ºG e 12ºH, acompanhados pelas respetivas professoras de português.
Autora  de uma já vasta obra, Luisete Baptista discursou, animadamente, sobre a sua paixão pela escrita e pelas artes plásticas, chamando a atenção dos jovens para as ilustrações constantes nos seus livros de que é também  criadora. Destacou o facto de ter recorrido ao café enquanto material usado nas ilustrações da sua mais recente obra, cuja personagem principal é um pé de cafeeiro. Referiu a sua infância passada numa fazenda de café em Angola, o que foi crucial, segundo a mesma, para a recriação do ambiente e da vivência nesse espaço.
A escritora respondeu ainda entusiasticamente às muitas questões colocadas pelos jovens, salientando o papel das suas memórias na produção deste romance. No entanto,  foi necessária uma longa pesquisa sobre o universo do café, quando enveredou por esta narrativa. 
Os alunos foram, em seguida, desafiados a comporem um pequeno texto poético a partir de uma pintura da artista e a partilhá-lo com os presentes.
No fim da sessão, não faltaram os rebuçados com sabor a café como apontamento motivador para a leitura deste mais recente romance da autora.

















        

Diogo Nogueira, 12ºD

sexta-feira, 6 de março de 2020

Joaquim de Carvalho no Parlamento dos Jovens



No passado dia 4 de março, decorreu no IPDJ, delegação de Coimbra, o processo de eleição para a Mesa da Sessão Distrital do programa Parlamento dos Jovens 2020, tendo estado presentes 18 candidatos representando as diversas escolas do distrito de Coimbra.
A Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho esteve representada pelo nosso estudante Daniel Fernandes (11.º D).
Ao longo da sessão deste evento parlamentar, foi notória a qualidade da participação e do desempenho com que o representante da Escola obsequiou todos os presentes. De destacar todo o trabalho desenvolvido pelo aluno, que, com intervenções pertinentes e consistentes, pode ser reputado de excecional. Deste modo, foi eleito secretário da Mesa da Sessão Distrital, o que muito prestigia a Escola.
O aluno irá representar a Escola Dr. Joaquim de Carvalho no próximo dia 17 de março, dia da Sessão Distrital do Parlamento dos Jovens, onde estarão também presentes os nossos 3 deputados eleitos.