quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Pegadas


Exposição na BE

Encontra-se patente na biblioteca escolar uma mostra  de obras  cujos autores já foram ou ainda são docentes na nossa escola.

Entre estas obras, encontram-se manuais escolares, romances, livros de contos e de poesia, teses de mestrado e doutoramento, entre outros.

"Pegadas" é uma oportunidade para ficar a conhecer mais de perto diferentes facetas dos nossos professores.















quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Joaquim de Carvalho promove concurso Literacia 3Di



Leitura e Inglês


Seguindo o mote lançado pela Porto Editora a Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, promoveu, mais uma vez, ao longo da semana de 26 a 30 de junho, o Concurso Literacia 3Di, nas vertentes de Leitura (alunos do 7º ano) e Inglês (alunos do 8ºano).
Este concurso pretende avaliar as competências dos alunos do ensino básico em quatro dimensões do saber: leitura, inglês, matemática e ciência. A nossa escola participou com um total de 132 alunos inscritos a Leitura e 152 a Inglês. Este concurso, “um desafio pelo conhecimento”, tem 3 fases – local, distrital e nacional – e inclui provas interativas disponibilizadas através da plataforma online Escola Virtual.

86 anos de história da Joaquim de Carvalho

Aniversário do “Liceu”






No dia 25 de novembro, comemorou a Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, o antigo “Liceu”, o seu 86.º aniversário enquanto instituição educativa. A efeméride foi assinalada na segunda-feira, dia 26, pelas 12 horas, com uma sessão solene em que os alunos foram os principais homenageados.
Perante uma mesa de honra composta pelo Diretor da Escola, Dr. Carlos Santos, pelo Presidente do Conselho Geral, Dr. João Santos, pelo Vice-Presidente da Câmara Municipal, Dr. Carlos Monteiro, pelo representante da Associação de Estudantes, José Ramos, aluno do 12.º ano, e pelo representante da Associação de Pais e Encarregados de Educação, Sr. João Almeida, foi feita a evocação dos 86 anos de história desta instituição, que se iniciou enquanto Liceu Municipal Dr. Bissaya Barreto em 1932.
A 25 de novembro, sendo Ministro de Instrução Pública Cordeiro Ramos, por meio do decreto de 6 de outubro, é criado "na Cidade da Figueira da Foz um liceu municipal, que se denominará Liceu Municipal Dr. Bissaya Barreto". A nova escola abriu portas num prédio situado no local onde, no passado, funcionou o terminal rodoviário. Com o aumento da população estudantil, em 1961, o ministério de Lopes de Almeida elevou a nacional o Liceu da Figueira, e, em 1969, no dia 17 de abril, foi a inauguração oficial do liceu pelo Chefe de Estado, Américo Tomás, de cuja comitiva faziam parte os Ministros da Educação Nacional, José Hermano Saraiva, e das Obras Públicas, Silva Sanches.
Hoje, em pleno século XXI, num momento em que se formam alunos para um futuro que se adivinha de grandes mudanças, com o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória como rumo orientador, esta cerimónia deu principal destaque aos alunos que se notabilizaram pelo mérito académico e cívico. Desta forma, foram entregues diferentes prémios:
- Prémios de Mérito Cívico - instituídos com o objetivo de valorizar os alunos que se evidenciaram pela participação e promoção de iniciativas de cidadania ativa e responsável e revelaram empenho e colaboração em projetos e atividades promovidas pela Escola. Neste plano, foram premiados os alunos:
      - Ana Rita Medina
      - Pedro Martins
      - Pedro Figueira
      - Sofia Rainho
      - Alexandra Maia
      - Matilde Santos
- Prémio assiduidade – atribuído às 2 turmas mais assíduas, do básico e do secundário, de 2016/2017 e de 2017/2018.
- Prémios Dr. Joaquim de Carvalho - atribuídos aos melhores alunos dos anos letivos de 2016/2017 e de 2017/2018, tendo sido entregue ao melhor aluno de cada ano de ensino um prémio monetário patrocinado por diferentes instituições:
               - 2016/2017 – patrocinados pela Associação Doutor Joaquim de Carvalho, nos 7º, 8º e 9º anos, respetivamente, Tomás Rodrigues, Mariana Santos e Madalena Alves, todos com média de 5.
               - patrocinados pela SINASE, nos 10.º e 11.º anos, respetivamente, Guilherme Gaspar (média de 19,71), Ricardo Carreira (média de 19,43), e, patrocinado pela Celbi, no 12.º ano, Ricardo Santana (média de 19,20).
                - 2017/2018 – patrocinados pela Associação Doutor Joaquim de Carvalho, nos 7º, 8º e 9º anos, respetivamente, Joana Ferreira, Mariana Silva e Mariana Santos e Laura Gaspar (ex aequo), todas com média de 5.
                - patrocinados pela SINASE, nos 10.º e 11.º anos, respetivamente, Laura Sarmento (média de 20,0), Guilherme Gaspar (média de 19,86), e, patrocinado pela Celbi, no 12.º ano, Alexandra Maia e Carolina Esteves, (ex aequo, com a média de 19,20).
Nesta cerimónia foram, ainda, entregues medalhas da Escola aos funcionários que se aposentaram nos dois últimos anos letivos.
A cerimónia terminou com a verbalização do lema da Escola por todos os presentes Fomos, Somos e Seremos Sempre Joaquim de Carvalho.





 


À conversa com ...o professor Hermínio Monteiro



B.I.
Nome: Hermínio Monteiro
Data de nascimento: 28 de dezembro de 1953
Número de anos de ensino: entrou na nossa escola a 1 de outubro de 1979
Tipo de música preferida: música de intervenção e fado; gosta de música que passe uma mensagem, tenha conteúdo
Filme preferido: apesar de ver pouco cinema, o seu filme preferido é o Dr. Givago, sobretudo pela sua trilha sonora
Prato preferido: leitão e «um bom cozido à portuguesa»
Hobbies: agricultura e dirigente associativo de algumas associações

Sinal - Houve alguma razão especial na escolha desta profissão? E porquê a disciplina de Educação Tecnológica?
Hermínio Monteiro - Não houve uma escolha especial. Após o 25 de Abril, houve uma revolução no ensino e abriu uma área virada para as artes manuais (trabalhos oficinais) e nessa altura trabalhava com o arquitecto Isaías Cardoso. Foi uma forma de ganhar dinheiro.


S.- O que mais lhe agrada na profissão que tem exercido ao longo destes anos?
H.M. - O reconhecimento por parte dos alunos. Gosto que os meus ex-alunos, que já exercem, que têm a sua vida e trabalho, depois de tantos anos, me reconheçam, tanto de uma forma positiva, como negativa. 

S.- Houve algum aspeto que considere menos positivo? Qual?
H.M. - Uma das diferenças é que, atualmente, há menos respeito pelos professores. Quando alguém diz uma piada, há um borburinho que se espalha pela sala toda.


S.- Que mudaria no atual sistema de ensino? Porquê?
H.M.- Mudaria a responsabilidade por parte dos Encarregados de Educação. Penso que estes devem ter mais controlo sobre os seus educando. Devem averiguar, por exemplo, se têm o caderno diário organizado. 


S.- Houve alguma turma que o tenho marcado particularmente? De que maneira?
H.M.É complicado reconhecer a turma mais especial. Mas há sempre aqueles alunos que nos marcam, tanto pelo lado positivo como o negativo. 

S.- Conte-nos uma situação curiosa ocorrida numa aula.
H.M.Estava numa aula prática em que os alunos trabalhavam em madeiras e havia uma máquina com a qual só o professor podia trabalhar e, a certa altura, houve um aluno que ligou a máquina sem autorização e sem eu estar por perto. Apanhei um grande susto!


S.- Se não tivesse sido professor, o que desejava ter sido? Porquê?
H.M.Tinha sido desenhador projetista. Anteriormente trabalhava com arquitetos, e cheguei a trabalhar ao mesmo tempo que ensinava.  


S.- Qual foi a mensagem que tentou transmitir ao longo de todos estes anos ao grande número de alunos que ensinou?
H.M. – Acreditem em vocês mesmos. Sejam honestos na vida.

S.- E que mensagem deixaria para os leitores do Sinal?
H.M.- Espero que os leitores (do Sinal) sejam responsáveis, e que pensem no seu futuro.
Bruna Frederico, 11ºE
David Costa, 11ºE
João Levi, 7ºC
Marta Melanda, 11ºE
Maria Teixeira, 11ºC
Raquel Almeida, 11ºE






quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Árvores autóctones dão vida a espaços verdes

No dia 7 de novembro, alguns alunos do 9ºB procederam à plantação de árvores autóctones da floresta portuguesa em alguns dos espaços verdes da Escola, especialmente os mais afetados pela queda de árvores em resultado da passagem do furacão Leslie, em outubro passado.


Esta atividade surge no seguimento do Projeto Renascer de 2017/2018, liderado na nossa escola pelo 8ºB, na época orientado pela Docente Ana Rola. Da iniciativa restaram cerca de 20 plantas que foram agora ocupar espaços atingidos pela intempérie, tendo os professores Rui Simões em colaboração com as docentes Margarida Vicente e Patrícia Cunha orientado esta ação.

Maria Sousa 10ºA
Gabriela Santos 10ºA
Henrique Louro 11ºC

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Joaquim de Carvalho distingue mérito dos alunos de 2017-2018


   Dia do Diploma foi na sexta-feira, dia 28

    Na passada sexta-feira, realizou-se, no Auditório da Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, a habitual cerimónia de entrega de diplomas aos alunos que concluíram, em 2017/2018, o ensino secundário, bem como dos diplomas de valor e excelência aos alunos com médias académicas mais elevadas. Esta cerimónia contou com a assistência de cerca de 600 pessoas, entre alunos, familiares e professores. 


    A sessão iniciou-se com as intervenções do Presidente do Conselho Geral, Dr. João Santos, do Diretor da Escola, Dr. Carlos Santos e do Vereador com o pelouro da Educação, Dr. Nuno Gonçalves. 

   A cerimónia constou da entrega do diploma de conclusão do ensino secundário a todos os alunos das 9 turmas do 12º ano, seguida da entrega dos diplomas dos quadros de valor (219 alunos) e de excelência (76 alunos). No quadro de valor, foram distinguidos os alunos do ensino básico, de todos os anos, com médias compreendidas entre 4 e 4,9, e os alunos do ensino secundário, de todos os anos, com médias compreendidas entre os 16 e os 17,9 valores. No quadro de excelência, foram distinguidos os alunos do ensino básico, de todos os anos, com média de 5, e os alunos do ensino secundário, de todos os anos, com médias superiores a 17,9 valores. 


    Por fim, foram chamados ao placo os 3 melhores alunos do ensino secundário, um do ensino profissional, do curso de profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos, Francisco Amorim, com média de 17 valores, e dois alunos do ensino regular, Carolina Esteves e Ricardo Carreira, com média de 19 vares, que foram distinguidos com o diploma de mérito. 

   Com este evento é objetivo da escola promover o mérito e incentivar os alunos a apostarem continuamente no sucesso da sua formação.

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Joaquim de Carvalho coloca 94% dos alunos no ensino superior



78% na 1ª e 2ª opções



Dos 178 alunos da Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho que se candidataram ao ensino superior, 168 (94%) foram colocados na 1ª fase de candidatura ao ensino superior, sendo que deste universo 56% entraram na 1ª opção e 22% na 2ª.
Os cursos que mereceram a preferência dos alunos foram Engenharia Mecânica com 10 entradas, Medicina, Engenharia Informática e Enfermagem com 6, Ciências Farmacêuticas com 5, Economia, Engenharia e Gestão Industrial, Arquitetura, Engenharia Eletrotécnica e de Computadores, Engenharia Química e Psicologia com 4, Engenharia Aeronáutica e Design Gráfico e Multimédia com 3, e Design Industrial e Gestão de Empresas com 2 entradas.
Quanto à preferência dada aos estabelecimentos de ensino superior, esta recaiu claramente sobre a Universidade de Coimbra, em especial a Faculdade de Ciências e Tecnologia com 14 alunos, seguida da Universidade de Aveiro com 11 e a Universidade da Beira Interior com 10 alunos. Há ainda a destacar a preferência pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra com 9, pela Universidade de Lisboa - Instituto Superior Técnico, pelo Instituto Politécnico de Coimbra – Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra e Instituto Superior de Engenharia com 8 alunos.
De salientar, ainda, que houve um aluno que entrou em Engenharia Aeroespacial, no Instituto Superior Técnico, curso que regista uma das médias de acesso mais elevadas.
Mais uma vez, estes resultados são motivo de orgulho para a Joaquim de Carvalho e para o concelho, na medida em que constituem o corolário do trabalho, em primeiro lugar, dos alunos, desta Escola e também de muitas outras do concelho, que foram formando os alunos nos níveis de ensino precedentes.